quarta-feira, 21 de setembro de 2016

São Bento de Núrsia, Patriarca dos Monges do Ocidente – 1

São Bento, Subiaco.
São Bento, Subiaco.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




“GLÓRIA NÃO SÓ DA ITÁLIA, MAS DE TODA A IGREJA, QUAL ASTRO ESPLENDOROSO IRRADIA SUA LUZ REFULGENTE EM MEIO ÀS TREVAS DA NOITE”

(PIO XII, CARTA ENCÍCLICA EM COMEMORAÇÃO DO XIV CENTENÁRIO DA MORTE DO PATRIARCA DE MONTECASINO, 1947, APUD DOM GARCIA M. COLOMBAS, SAN BENITO, SU VIDA Y SU OBRA, BIBLIOTECA DE AUTORES CRISTIANOS, MADRI, 1968, PRÓLOGO, P. XIII. SEGUIMOS PRINCIPALMENTE ESSA OBRA PARA A ELABORAÇÃO DESTE ARTIGO, CITANDO O NÚMERO DA PÁGINA E O LOCAL EM QUE SE ENCONTRA A CITAÇÃO.).

Dom Prosper Guéranger (1805-1875), restaurador e abade do priorado beneditino de Solesmes, na França, assim exclama a respeito de São Bento:

“Com que veneração devemos nos acercar hoje deste homem de quem São Gregório Magno escreve que ‘esteve cheio do espírito de todos os justos!’. [...]

“Estes rasgos sobrenaturais [de São Bento] encontram-se realizados por doce majestade, grave severidade e misericordiosa caridade, que brilham em cada uma das páginas de sua biografia escrita por um de seus discípulos, o Papa São Gregório Magno, que se encarregou de transmitir à posteridade tudo o que Deus havia Se dignado realizar em seu servo Bento”.

Com efeito, continua o abade de Solesmes, foi ele quem “por meio de seus filhos [...] levantou as ruínas da sociedade romana, esmagada pelos bárbaros; quem presidiu ao estabelecimento do direito público e privado das nações que surgiram depois da conquista [...] quem, enfim, salvou o tesouro das letras e das artes do naufrágio que ia devorá-las para sempre e deixar a raça humana sumida nas trevas” (El Año Liturgico, Editorial Aldecoa, Burgos, 1956, vol. II, pp. 885-887).



Sobre essa missão única de São Bento, realizada pessoalmente e através de seus discípulos na formação da Idade Média, a doce primavera da Fé, acrescenta outro beneditino:

“O patriarca presidiu ao nascimento da cristandade medieval quando, em um tempo de profundas transformações, os mosteiros beneditinos, onde quer se estabelecessem, constituíram lares de vida cristã, a par de influentes núcleos de civilização e cultura. [...]

“São Bento influiu poderosamente nos novos povos, inoculando-lhes algo de seu amor à ordem e ao trabalho, de seu sentido de vida em comum, de seu espírito de disciplina e colaboração, desse cristianismo autêntico e sobretudo profundo, que constitui as próprias entranhas da instituição beneditina” (Dom Garcia M. Colombas, San Benito, Su Vida, Su Regla. Prologo, Biblioteca de Autores Cristianos, Madri, 1968, p.xiii).

As “grandes invasões”

São Bento, igreja de Santo Agostinho, Salamanca.
O século em que viveu São Bento foi “uma época difícil, de decadência, de desagregação e de confusão; em pleno período daqueles ingentes movimentos de povos mal chamados ‘as grandes invasões’.

“A Itália, empobrecida, despovoada e desmoralizada [...] estava vendo, desde os princípios daquele nefasto século V, o cúmulo de suas calamidades com as sucessivas invasões de diversos povos bárbaros” (Dom Colombas, op.cit., Introducción General, p. 49).

Infelizmente, a situação na Igreja não era menos grave, pois, com a morte do Papa Anastácio II em 498, houve um cisma que durou três anos, durante o qual disputavam o trono pontifício o verdadeiro Papa Símaco e o antipapa Lourenço.

“Varão de vida venerável”

São Gregório Magno assim principia seu livro sobre o Patriarca do Ocidente:

“Houve um varão de vida venerável, bento por graça e por nome, dotado desde sua mais tenra infância de uma cordura de ancião.

“Com efeito, antecipando-se por seus costumes à idade, jamais entregou seu espírito a qualquer prazer, mas, estando ainda na Terra e podendo gozar livremente dos bens temporais, desprezou o mundo com suas flores, como se estivessem murchas” (Livro II dos “Diálogos”, Introdução, in op.cit. p.173).

São Bento nasceu em Núrsia, Itália, provavelmente pelo ano 480 de nossa era. Nada sabemos sobre seus pais, exceto que deveriam ser pessoas abastadas.

O Santo tinha uma irmã, Escolástica, também santa, a quem amava ternamente e a cujo lado quis ser enterrado.

Bento era ainda jovem quando Teodorico, o Grande (454-526), rei dos ostrogodos – um dos muitos bárbaros que invadiram a Itália –, tendo dominado Roma, procurou fazê-la reflorescer.

Com valiosos colaboradores, restaurou monumentos antigos, erigiu outros novos, e governou com sabedoria, reerguendo assim a decaída nobreza romana e dando a todos um período de paz e tranquilidade em meio a tantas catástrofes.

Primeiro milagre

Escrevendo sobre Roma em 413, São Jerônimo afirma que ela detinha a palma de todos os vícios. Isso não havia mudado um século depois.

Razão pela qual Bento resolveu deixar casa, bens paternos e estudos, a fim de procurar um lugar em que pudesse servir melhor a Deus.

Acompanhado de sua governante, que não quis separar-se dele, retirou-se então para Efide, modesta aldeia nas montanhas de Sabina.

São Bento ressuscita um jovem monge falecido, Luca Signorelli, Monte Olivetto Maggiore.
São Bento ressuscita um jovem monge falecido, Luca Signorelli, Monte Olivetto Maggiore.
Foi aí que ele operou seu primeiro milagre, reconstituindo uma jarra de barro quebrada por sua governante, que lamentava em prantos seu estabanamento por tê-la deixado cair no chão.

Para fugir à popularidade que se seguiu, Bento retirou-se, desta vez só, para as montanhas de Subíaco. Nesse lugar inóspito encontrou um monge de um mosteiro vizinho, Romão, que lhe conferiu o hábito monástico.

O mesmo encarregou-se de sua alimentação, fazendo chegar à sua gruta, por meio de uma corda, a provisão diária de pão, que pegava em seu mosteiro.

Nesse isolamento, desconhecido de todos, exceto de Romão, Bento entregou-se à direção do Espírito Santo, que foi o seu verdadeiro guia espiritual e mestre de noviços.

Ele, entretanto, não estava só, pois o pai da mentira aparecia para provar o novo discípulo de Cristo.

E tentou-o uma vez tão fortemente contra a virtude da pureza, que Bento se lançou entre urtigas e espinhos para que a dor fizesse calar os ardores da carne. A partir de então, não sentiu jamais as solicitações da luxúria.

O cálice que se parte

A partir do momento em que Bento foi descoberto por caçadores, começaram a surgir seus primeiros discípulos, que levando como ele vida solitária, se reuniram em torno de sua cova.

Os monges de um mosteiro vizinho forçaram-no depois a ser seu abade. Mas logo se arrependeram, pois o novo superior os fazia andar estritamente no caminho da observância monástica e do dever.

Quiseram então envenená-lo, mas ele, abençoando o cálice em que com o vinho estava a peçonha, o mesmo se partiu. O santo voltou então para sua cova.

(Autor: Plinio Maria Solimeo, in CATOLICISMO, julho 2016).


Continua no próximo post: São Bento de Núrsia, Patriarca dos Monges do Ocidente – 2




GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS ORAÇÕES CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Comente sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.